terça-feira, 29 de novembro de 2016

Actualização do Blog

Estimados amigos, leitores deste minúsculo blog:

Porque me merecem imenso respeito e consideração devo apresentar as minhas desculpas pelos lapsos de tempo entre cada post. A razão prende-se com disponibilidade, mas fundamentalmente com problemas familiares. Esta página é editada pela sobrinha do Pintor Mestre António Soares, e o meu Pai foi até ao dia 3 de Abril do corrente ano de 2016, o último irmão vivo do grande pintor Modernista do século XX. 

Dei início a este blog pela impossibilidade de alterar o site "www.mestreantoniosoares.org", e para ir dando a conhecer as actividades de divulgação da obra do artista.

Mestre António Soares morreu em 1978. Desde essa altura que a família tem vindo a aguardar a tão esperada e merecida Exposição Retrospectiva, que deverá ser organizada pelas entidades públicas. A nossa impaciência, como Família mais chegada ao artista e detentora dos direitos autorais da obra, prende-se, por um lado, com o facto da existência de um enorme hiato entre os dois factos (morte do artista e realização de uma primeiro Exposição Retrospectiva), mas também porque o irmão mais novo, meu Pai, Américo de Miranda Soares, ter dado início e realizado, ao longo de mais de trinta anos, um Inventário da obra do irmão, que tanto admirava.

O espólio existente teve, por parte de Américo Soares, uma atenção e um cuidado muito para além do que é corrente por parte de outras famílias, sendo que a preocupação pela divulgação e insistência junto de várias entidades, ao longo destes trinta e oito anos, veio a culminar na preparação de duas grandes exposições - que deveriam ter sido inauguradas em Novembro de 2015 - mas que por força das circunstâncias e de dificuldades várias, serão inauguradas separadamente mas felizmente, acreditamos nós, com grande impacto.

Os 33 anos de diferença que separavam o meu Pai, Américo, do artista Mestre António Soares, fazem de mim na realidade uma sobrinha da mesma geração dos netos e sobrinhos-netos de todos os amigos e conhecidos do nosso Tio, que com ele privaram. Do único irmão ficam agora três sobrinhos, sendo eu a mais velha. Mas também existem agora mais seis sobrinhos netos e a nossa Mãe, embora também idosa, representará o nosso Pai, pelo enorme desejo que este sempre nutriu em ver a Exposição Retrospectiva da obra do irmão.

Neste momento, o ponto da situação é o seguinte:

O Museu Nacional do Teatro e da Dança vai inaugurar - a data será anunciada aqui e na Comunicação Social, sem dúvida, muito brevemente - já no início do próximo ano de 2017, uma exposição sobre António Soares (realizado com material existente no Museu e também com material que a Família havia aí colocado em depósito há mais de 10 anos) que vai apresentar a influência que este grande artista do século XX teve, para a modernização do Teatro em Portugal, nomeadamente nos anos '30. Recomendamos a aquisição do catálogo, realizado com a qualidade a que o Museu do Teatro e da Dança nos habituou, e que será um documento precioso para o início da redescoberta deste exímio artista.

O Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, por seu lado, teve mais dificuldade em reunir um espólio interessante, mas aos poucos foram aparecendo inúmeras famílias e coleccionadores que, ao longo destes 38 anos, têm aguardado, também com uma ansiedade semelhante à da família, por esta tão merecida Exposição Retrospectiva. Esperamos ainda que, dados os constrangimentos que foram surgindo, mais algumas obras apareçam. De qualquer modo, a perspectiva é a de que a Exposição que tinha sido anunciada (no próprio site do MNAC) primeiro para Novembro de 2015 e posteriormente para Março de 2016, acabou por não ser ainda realizada, mas não desesperemos, já esteve mais longe a expectativa. Todos sabemos dos cortes orçamentais que têm afectado a cultura como outras áreas. O trabalho mais difícil que foi a reunião das peças e a elaboração dos textos para o Catálogo, já foi feito. Resta agora a calendarização seguida pela adjudicação das verbas para a sua montagem. Por tudo isto peço, a todos os inúmeros coleccionadores/emprestadores das obras do Mestre António Soares, que foram contactados previamente, que aguardemos pacientemente.

Como compreendem, o facto de António Soares ter sido um artista que teve de, desde os 16 anos, trabalhar para viver, e ainda sustentar a família, condicionou um pouco a sua actividade (não podia só "pintar o que lhe apetecia" mas trabalhar para encomendas, como acontecia com todos os seus colegas) sendo que a contrapartida foi uma produção imensa, que engloba ainda trabalhos em Cinema, e trabalhos gráficos (que os artistas na época tinham tendência a desvalorizar), mas que hoje em dia estão englobados na categoria de Design, e que tem ainda muito para descobrir... e ser "descoberto". Daí também a importância destas Exposições, para colocar no seu devido lugar, no panorama das Artes Nacionais, este grande artista do Modernismo.

Julgo que com este post não estou a ser indiscreta, estou só a tentar ser objectiva e factual. Tenho assim que agradecer, de uma forma geral e informal, o trabalho e empenho de Directores de Museus e de Fundações, Conservadores e Técnicos Especializados, que a seu tempo nomearei com a devida vénia, que se têm identificado com os nossos desejos, como família, que se têm tornado amigos, e que me têm ajudado a continuar o trabalho iniciado pelo meu Pai.

Efectivamente, foi essa a promessa que fiz ao nosso Pai, há já alguns anos, em 2012, aquando da Exposição no MNAC - Museu do Chiado "O Modernismo Feliz - Art Déco em Portugal", a de continuar o trabalho por ele iniciado, tal como expliquei acima. 

Oportunamente então irei continuar a "postar" informação relevante para o conhecimento deste grande artista do século XX. Em simultâneo, a um ritmo mais regular, no "Facebook" tenho estado a "postar" imagens, sem grandes explicações, dado que estes dois instrumentos, têm funções e projecção diferenciadas.

Bem hajam por continuar a visitar-nos. Deixem-nos os vossos comentários

Ana Isabel de Ornellas   


quinta-feira, 31 de março de 2016

Página no "Facebook"

Mais perto dos nossos amigos, numa página do "Facebook", agora que estão cada vez mais perto de acontecer as Exposições Retrospectivas de "António Soares" - esperamos o mais breve possível poder anunciar-vos a data da primeira exposição.

Vai ter lugar no Museu Nacional do Teatro e da Dança em... Janeiro de 2017 (?)...

Até lá... deixo-vos com a imagem, lindíssima, da "Dama de Violeta" (1921) que pertence à Casa Museu Leal da Câmara - um dos grandes amigos de António Soares...

http://www.patrimoniocultural.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/casa-museu-leal-da-camara/

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Catálogo Digital (4) "OLHARES - Os Estudos e os Desenhos de ANTÓNIO SOARES"

Mais algumas imagens vão ficar aqui da exposição OLHARES, que decorreu entre 20 de Setembro de 2014 e 21 de Março de 2015, na Fundação Escultor José Rodrigues, na Rua da Fábrica Social (Alto da Fontinha) Porto. 
O melhor, o mais imponente espaço expositivo que existe na cidade do Porto, que tem tido exposições marcantes e significativas do panorama artístico actual contemporâneo.

Aqui ficam as imagens do aspecto geral da exposição nas restantes salas.

A segunda sala - o Design - foi a primeira mostra da valência de designer modernista, praticamente inédita, de António Soares.











A última sala - os estudos e os desenhos - englobava também as pranchas cenográficas dos cenários para o filme de António Lopes Ribeiro, "A Revolução de Maio" de 1936.











A última frase,

"O desenho é a inteligência da forma, a disciplina visual. Sem o desenho o Universo seria uma massa confusa. A côr é a luz, o espírito e a substância a própria vida."

de autoria de António Soares, revela e define a sua filosofia, o seu pensamento, o que o autor pensava do seu lugar no Mundo...

A capa do catálogo que também entendemos deveria ser a imagem/marca da exposição, foi nem mais nem menos que o último desenho realizado por António Soares, na madrugada ou na tarde do seu último dia de vida na Terra. 

(comentário escrito pelo irmão, na própria folha)


sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Catálogo Digital (1) "OLHARES - Os Estudos e os Desenhos de ANTÓNIO SOARES"

Não é bem este o espírito da blogosfera, iniciar um blog e depois deixar passar meses e meses (mais de doze) seguidos sem introduzir nenhuma notícia. Acontece que o tempo é escasso e os projectos foram-se acumulando sem deixar espaço para dar a continuidade desejada e desejável... Peço por isso desculpa aos nossos estimados leitores.
Hoje vou tentar colmatar algum tempo introduzindo imagens e comentários, que farão parte do Catálogo Visual prometido. Irão sendo introduzidos alguns posts com informação diversa, conforme a oportunidade das imagens. Será dado o devido feedback relativamente às mesmas.

Depois do pequeno e muito ilustrativo filme da nossa amiga e Designer, a artista plástica Graça Martins, ficam aqui mais algumas imagens do aspecto geral da exposição.

Comecemos pelo início - à entrada, o anúncio das duas exposições simultâneas:



E no Átrio:





Para permitir a todos os visitantes se localizarem no espaço e no tempo foi plasmado o Cronograma da Vida e Obra do Mestre António Soares, que será transcrito abaixo.





CRONOGRAMA DA VIDA E OBRA DE ANTÓNIO SOARES (1894/1978)


1894 nasce, em Lisboa, a 18 de Setembro # 1905 conclui a Instrução Primária com Distinção # nasce a futura mulher, Maria Germana # 1907-1909 trabalha como aprendiz de ourives, revelando a sua aptidão inata para o desenho # 1910 trabalha alguns meses nos Comboios de Portugal mas conclui não ter vocaçãode forma deliberada, provoca o seu despedimento # Implantação da República # 1911 é expulso de casajunta-se aos amigos e começa a trabalhar em jornais e teatro # 1912 1ª Exposição dos Humoristas Portuguesesnão participa por não se considerar humorista nem caricaturista # 1913 por insistência dos amigos, participa em pleno na 2ª Exposição do Humoristas apresentando caricaturas sociais # 1914 nasce a irmã, Judite # matricula-se nas aulas de Mestre Ernesto Condeixapor sugestão do mestre, que dizia não ter mais nada a ensinar-lhe, deixa as aulas; torna-se sócio efectivo da Sociedade Nacional de Belas-Artes # início da Primeira Grande Guerra # 1915 autor da capa e contra-capa do livro "Rajada Doentia" de Augusto Ferreira Gomes, autor da capa do livro do Dr. Alberto de Veiga Simões "Era uma vez um Rei" # participa no I Salão dos Humoristas Portugueses (Porto) # sai o 1º número da Revista Orfeu, de Fernando Pessoa # 1916 colabora no número Espécimen da "Contemporânea" # autor do cabeçalho "Por casa dos artistas" no jornal "O Século" # promove e colabora na organização da Galeria das Artes no Salão Bobone # 4 painéis decorativos para a Direcção do Jornal de Arganil (Lisboa) # II Salão dos Modernistas (Porto) – é autor da capa do Catálogo # 1917 1º prémio do concurso de cartazes para a Junta Patriótica do Norte, exposto na 1ª Exposição de Arte e de Guerra (Porto) # 1918 concebe friso decorativo "Os Ofícios de Alcântara" na Escola Básica Raúl Lino, a convite do próprio Arquitecto Raúl Lino # cenários da peça "À Luz de um Vitral" de Veva de Lima, Teatro S. Luís # autor da capa para o livro "Antinous, a Poem" de Fernando Pessoa # 1919 cenário "À luz de um vitral" para o Teatro S. Carlos # capa para o livro de Vicente Arnoso "Coimbra Terra de Amores" # 1920 início de colaboração com a revista "Ilustração Portuguesa" # cenário "Borboleta" para o Teatro Nacional # organiza e colabora na 3ª exposição dos Humoristas # capa do livro de Gaspar Carvalho "Noite de S. João" # 1921 realiza a sua 1ª. Exposição Individual no salão “O Século” (Lisboa) # autor do logótipo do Diário de Lisboa, diário vespertino # autor das capas para os livros "Leviana", e "Colette / Collette Willy / Colette" de António Ferro # 1922 Histórica travessia do Atlântico Sul por avião por Gago Coutinho e Sacadura Cabral # 1º Centenário da Independência do Brasil # 1923 autor das capas para o livro "Batalha de Flores" de António Ferro # autor da capa do livro "D. Sebastião" de Correia da Costa # 1924 concorre ao Salão na SNBA; participa e orienta a distribuição dos quadros de "A Brasileira do Chiado" – onze telas por sete artistas – e pinta dois: "Café de Noite / À Mesa da Brasileira" (elementos masculinos) e "Botequim" (figuras femininas) # 1925 visita Paris (pela primeira e última vez) e uma exposição de "Art Déco" # expõe os quadros da Brasileira no 1º Salão de Outono da S.N.B.A. # 1926 colabora activamente nos décors e linha gráfica do "Bristol Club" # compõe o óleo "Quarta Feira de Cinzas" e retrato de Mário Ribeiro # concorre ao Salão na SNBA "Ilustração Portuguesa" # Revolução de 28 de Maio # 1927 nasce o irmão, Américo # Medalha de ouro de Pintura nas Caldas da Rainha # 1928 participa na Exposição de Arte da SNBA # compõe cortina para a Revista Rambóia, "O Vira" no Teatro Maria Vitória # 1929 casa com Maria Germana # concorre ao 1º Salão de Outono da Voga – stands da "Voga" e "Casa Chinesa" e obtém o 1º prémio e uma Menção de Honra # pinta o retrato de “Natacha”, e ganha a 1ª Medalha em Desenho da SNBA # colabora na organização do Baile das Artes, com três painéis decorativos (um dos quais guardou na sua colecção) # colabora na decoração do "York Bar" # colabora e dirige a montagem do “Salão da Luz e da Eletricidade Aplicada ao Lar” – stand da empresa “Electro Reclamo, Lda.”, cartaz, e toda a publicidade nos jornais # Teatro Variedades – cortina com motivos do séc. XVIII # stand para a Companhia Nacional de Moagem na Exposição de S. Luís, Lisboa # morre o irmão, Domingos # 1930 compõe duas cortinas "Fantasia" e "Registos e Bentinhos", e ainda dois cenários "Velhos Bairros de Lisboa" e "Vindimas" para o Teatro Avenida # dois telões "À vara larga" e "Fado"; três cenários: "Baile das Artes", "Fado" e "Arraial Português", Revista Chá de Parreira – Teatro Variedades # um telão "Velha Lisboa/Nocturno" – Teatro Avenida # telão de fantasia "Nova York" – Teatro da Trindade # um cenário da peça de Ramada Curto "Sapo e Doninha" – Teatro Nacional # três telões "Mascarilha", "Santa Catarina", "Velho Solar em Lisboa", e um cenário "Jardins da côr" da revista Canto da Cigarra - Teatro Variedades – anos mais tarde, algumas destas cenas, servirão de inspiração para óleos; quadro decorativo e decoração do Bar do Teatro Nacional # preside ao júri da 8ª exposição de Aguarela e Desenho da SNBA # eleito vogal para a Direção da SNBA # ilustração no livro "A Selva" de Ferreira de Castro # 1931 A família acolhe o meio-irmão, Américo # 1932 participa no 1º Salão do Estoril e ganha a 1ª medalha em Pintura # participa na "Grande Exposição Industrial Portuguesa" com um stand para a "Fábrica Santa Clara" # 1933 inicia uma colaboração com a Fábrica Santa Clara, criando toda a linha gráfica das embalagens, produtos de beleza e sabonetes e o relançamento do sabonete "Feno de Portugal" # entra no Conselho Superior da SNBA # 1934 participa no restauro do Palácio de Queluz com quadros e painéis para a sala dos Espelhos / trono e sala D. Quixote # Encomendadas 6 telas para o Palácio da Assembleia Nacional # 1935 participa na 1ª Exposição de Arte Moderna Ÿ Prémio Columbano # Exposição das Festas da Cidade "Motivos de Lisboa" # 1936 nomeado representante da SNBA do Conselho de Estética Citadina da Câmara Municipal de Lisboa # autor do Diploma da Câmara Municipal de Lisboa para o Dr. Oliveira Salazar # encomenda do quadro "Lisboa" para o Pavilhão de Portugal na Exposição Internacional de Paris # 1937 Exposição do Ano X da Revolução Nacional encomenda de dois quadros: "Terra Portuguesa" e "Alma Nacional" # Grand-Prix de Pintura da Exposição Internacional de Paris, com o quadro "Lisboa" # convidado por António Lopes Ribeiro a colaborar no filme "A Revolução de Maio" # Participa na exposição Internacional/Universal de Artes e Técnicas de Paris # 1938 morre a irmã, Judite # encomenda de um quadro em afresco "Mareantes" para o Pavilhão de Portugal na Exposição Internacional de Nova York de 1939 # encomenda pela I. B. M. do quadro "Portugal my Country" para o seu pavilhão "Contemporary Art of 79 countries" # 1939 obtém uma Medalha de Honra pelo quadro "Portugal my Country" na Exposição Internacional de Nova York # Exposição Internacional/Universal de Nova York # Início da "Segunda Grande Guerra Mundial # 1940 colaboração nos cenários, décors, cartazes publicitários no filme de António Lopes Ribeiro "O Feitiço do Império" # Exposição do Mundo Português (onde não participa) # 1943 Morre a Mãe # 1945 Morre o Pai # 1946 A Fundação Casa de Bragança faz uma encomenda de um óleo da "D. Luiza de Gusmão", para o Palácio de Vila Viçosa # 1949 concorre à Exposição de Arte Moderna do SNI, e recebe segundo Prémio Columbano pelo conjunto das obras expostas Ÿ representação na Exposição de Evocação da "Arte Moderna Portuguesa" do SNI # 1950 "Retrato de Sua Eminência o Cardeal Cerejeira" # 1951 participação na 1ª Bienal de São Paulo (Brasil) # 1952 colaboração com a Sociedade Industrial Aliança – linha gráfica das farinhas, bolachas, biscoitos, chocolates e rebuçados Ÿ participação na Exposição Internacional de Sevilha "Atenea" (Espanha) # 1958 condecorado pelo Estado Português com o grau de oficial da Ordem de Sant'Iago de Espada # 1961 O irmão, Américo, casa-se com Maria de Fátima # eleito vogal da Academia Nacional das Belas Artes # 1962 nasce a sobrinha, Ana Isabel # obtém o "Prémio Diário de Notícias" de pintura # O Dr. Nuno Simões e um grupo de amigos do Dr. Champalimaud, adquirem e oferecem o quadro "Lisboa das Velhas Fontes" para o Museu de Arte de S. Paulo – MASP # autor da capa e de 52 ilustrações para a colecção "Lendas de Portugal" de Gentil Marques # 1963 participa na Exposição de arte da SNBA # 1965 Exposição itinerante da Fundação Calouste Gulbenkian Ÿ nasce o sobrinho e afilhado, António Francisco # 1966 Exposição Nacional de Arte do SNI – Itinerante Ÿ "As artes ao serviço da Nação", no 40º aniversário da Revolução Nacional – Museu de Arte Popular (Lisboa) # 1968 nasce o sobrinho, João José # 1971 Exposição "Lisboa na obra dos artistas contemporâneos" (CML) # 1973 desenho da capa do livro de Agustina Bessa Luís "Santo António" # 1974 Exposição do Espólio da "Ilustração Portuguesa" no Salão Nobre de "O Século" # 25 de Abril – Revolução dos Cravos # 1976 Exposição de 100 obras do Património do Ministério da Comunicação Social, Palácio Foz # 1978 morre Mestre António Soares a 28 de Junho – repousa num jazigo da família da cunhada (família de José Alívio de Madureira) no Cemitério de Calendário em Vila Nova de Famalicão # 1983 Exposição de inauguração do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian # 1993 "Para compreender os Lusíadas", livro de Amélia Pinto Pais leva uma reprodução do quadro "Camões" # 1994/1995 Comemorações do Centenário do Nascimento de António Soares, na Galeria Alvarez (Porto), no Museu de Arte Contemporânea do Funchal Fortaleza de S. Tiago (Madeira) e VIII Bienal de Cerveira (Vila Nova de Cerveira) # 1996 morre Maria Germana, tendo sido colocada no mesmo jazigo do marido # 2012 Exposição "O Modernismo FelizArt Déco em Portugal" no MNAC/Museu do Chiado (Lisboa) # 2014/2015 Exposição "Olhares: os Estudos e os Desenhos de António Soares" na Fundação Escultor José Rodrigues, no Porto…



A PINTURA MODERNISTA na Colecção MillenniumBCP

Inaugurado a 30 de Janeiro de 2015, esteve patente na Galeria Millennium na Rua Augusta, em Lisboa, até 24 de Abril, a exposição "Pintura Modernista na Colecção Millennium BCP". 
Integrando 85 obras de 15 artistas, dadas as limitações de espaço da própria Galeria do Millennium, tal como já acontecera com a Colecção da Pintura Naturalista, só uma pequena parte representativa esteve patente ao público, oferecendo porém o Catálogo uma visão abrangente e muito bem documentada de toda a sua colecção.
A convite do Conservador da colecção, o nosso amigo Dr. Rui Paiva, foi com muito prazer que ajudámos na datação das obras do Mestre António Soares, que são apenas 5, e onde nos confrontámos com uma singularidade - uma das obras é apenas um terço de uma obra muito maior, de que existe uma foto em arquivo.

"Caçada a cavalo na neve" - 1939

Este facto estranho e curioso fez com que a Professora Dra. Raquel Henriques da Silva, Curadora "permanente" da colecção do Millennium BCP, resolvesse incluí-lo no catálogo, com a esperança de que um dia venha a aparecer o resto da obra.

Estas são as duas obras que estiveram patentes em Lisboa, neste período:


"Caçada a Cavalo na Neve - fragmento" - 1939

"Ribeira do Velho Burgo - Porto" - 1962
Fica aqui um pequeno filme que retrata o que aconteceu durante a inauguração:



Nem de propósito, a mesma exposição, agora itinerante, foi inaugurada esta semana, desta vez no Centro de Cultura Contemporânea de Castelo Branco. Oportunamente incluiremos mais imagens.

Catálogo Digital (3) "OLHARES - Os Estudos e os Desenhos de ANTÓNIO SOARES"

Continuando com o nosso Catálogo Digital. Vamos ver primeiramente a mesa com algumas publicações, nomeadamente a capa da "Ideia Nacional" de Homem-Cristo filho.

Capa de António Soares
Duas capas de António Soares para dois livros do seu amigo António Ferro, amigo da juventude, que a política fez separar...









António Soares - autor do cabeçalho do "ABC A RIR" - 1920




"Vogue - estudo" - 1930



"A Herança das Bacalhoas" - 1915


  




"Esboço de retrato" - 1934

"Cabeça cubista" - 1922

"Capa para Catálogo de Exposição António Soares - estudo" - 1922
Nesta mesa tínhamos ainda uma cópia de um dos livros de Inventário da obra de António Soares, iniciado por seu irmão no início dos anos 80, pouco depois da sua morte, bem como uma ficha.

Passando para a segunda mesa, que continha fundamentalmente objectos pessoais, e fotografias.

"Retrato de Madame Veiga Simões" - 1921

As fotos da Mãe e do Pai, dele e da futura mulher, uma foto do casamento que foi realizado em casa da Mãe da noiva. E depois objectos pessoais: os óculos, os isqueiros e cinzeiros (tendo sido António Soares um fumador inveterado, o que era comum na época), um óculo de ourives (recordação da sua passagem como aprendiz, onde descobre a sua paixão pelo desenho e a pintura), uma foto do casal cerca de 1973, onde conseguimos apreender um certo ar de cumplicidade e carinho entre os dois...



Vamos deixar ainda aqui algumas imagens da sessão de inauguração, com um agradecimento a todos os amigos que conseguiram estar presentes connosco, nesse dia.





Um agradecimento muito especial ao Mestre José Rodrigues e Lindinha, pelo carinho com que nos receberam na sua "Catedral" de cultura que é a Fundação!